Marketing Online

Como as igrejas podem usar o marketing de mídia social

setembro 19, 2019

Como cristão e profissional de marketing digital, sempre me perguntei por que as igrejas não são mais ativas online.

Ter uma forte presença digital é crucial para as igrejas, pois elas precisam estar onde estão suas audiências (e congregação). Afinal, as pessoas passam em média bem mais de 2 horas por dia em redes sociais como Facebook, Instagram, YouTube e Twitter.

Fazer isso também ajuda as igrejas a serem mais diretamente relevantes para a vida cotidiana das pessoas, assim como as igrejas primitivas eram durante o tempo de Atos na Bíblia.

Antes de compartilhar algumas maneiras pelas quais as igrejas adotam o marketing de mídia social, vejamos primeiro a vida de nosso Senhor Jesus Cristo.

Como Jesus “se torna social”

Enquanto Jesus nunca publicou uma página no Facebook, gravou um YouTube ou compartilhou uma história no Instagram, Ele e Seus primeiros discípulos sabiam uma coisa ou duas sobre levar as pessoas a espalharem a notícia (não falo aqui de pregação evangelica).

Depois de realizar milagres, como a cura dos cegos e os coxos, ou ressuscitar os mortos, Jesus cutucou aqueles que foram curados (ou ressuscitaram) para compartilhar o que experimentaram com outras pessoas ao seu redor.

Um tipo de cara que mostra e fala, Jesus era o modelo do evangelismo de rua e do ministério do mercado. Ele demonstrou como o Reino dos Céus se pareceria com suas ações e palavras.

Ao trabalhar com escribas e mestres da lei, Jesus ampliou sua mensagem além da sua cidade natal.

Ele não tinha um, mas quatro relatos do Evangelho escritos sobre sua vida e obra. Essa tradição literária continuou com os apóstolos Pedro, Paulo, Tiago e João, cujas cartas e obras escritas ajudam a espalhar o Evangelho além do Reino de Judá.

Jesus também foi um grande contador de histórias sociais. Ele ilustrou importantes princípios espirituais com contos vívidos, memoráveis ​​e relevantes, como a História do Bom Samaritano e a Parábola do Filho Perdido.

Ele também foi um grande construtor e líder de comunidade, concentrando seu tempo limitado na Terra em treinar e orientar seus discípulos, que por sua vez treinaram e orientaram líderes de segundo e terceiro níveis em seus ministérios.

Emulando seu exemplo, esses “influenciadores” foram tão convencidos de Sua mensagem que estavam dispostos a sofrer perseguição e até a morte enquanto espalhavam o Evangelho.

Comece com o seu público-alvo

Como Jesus, você precisa se concentrar em quem são seus públicos-alvo. Embora pretendesse que a mensagem do Evangelho se espalhasse por todo o mundo, Ele escolheu os israelitas (especificamente os galileus) para iniciar seu ministério.

Nas mídias sociais, é fundamental para a sua igreja pintar um perfil detalhado do seu público-alvo.

Faça a si mesmo estas perguntas:

  1. Quais são os dados demográficos da sua congregação alvo? faixa etária, renda, tipo de moradia, preferência de idioma
  2. Onde é que seus adoradores em potencial provavelmente estão em termos de localização?
  3. Quais são os interesses, atitudes e estilos de vida deles (ou seja, psicográficos)?
  4. Que desafios e necessidades eles têm? Isso determinaria o tipo de palavras-chave e tópicos que eles usariam para procurar respostas online.
  5. Em quais canais on-line eles estariam ativos? Facebook, Instagram, YouTube, blogs, LinkedIn ou outros?

 

Estabeleça suas metas de mídia social

Depois de restringir quem você está alvejando, você precisa determinar qual papel o marketing de mídia social desempenha. Isso depende se você está alcançando não-cristãos, buscadores, membros da congregação, retrocessos ou membros ativos.

Normalmente, existem quatro a cinco objetivos principais…

  • Consciência da marca: Útil para novas igrejas e também para igrejas mais antigas que desejam alcançar novos públicos. Isso pode ser medido nas mídias sociais por meio de visualizações de página, impressões, visitantes, alcance, número de seguidores, visualizações de vídeo.
  • Engajamento / Consideração: É aqui que você procura fazer com que sua comunidade online se aproxime de sua igreja interagindo com seu conteúdo. Pode ser medido por indicadores como curtidas, comentários, compartilhamentos, cliques, visualizações de vídeos mais longas (por exemplo, 30 segundos) e sua taxa média de envolvimento por postagem.
  • Conversão: Embora seu objetivo seja fazer com que os não-cristãos aceitem Jesus como seu salvador pessoal, as conversas na linguagem do marketing digital normalmente significam fazer com que uma pessoa on-line aceite um boletim eletrônico, inscreva-se em um evento, faça o download de um e-book ou compre um item. Tudo isso pode ser facilmente medido online.
  • Lealdade / Advocacia: Os membros ativos de sua congregação e sua comunidade online estão ajudando você a espalhar a notícia? Além do compartilhamento de fotos, vídeos, mensagens e outras postagens das contas de mídia social da sua igreja, seus advogados também podem estar blogando sobre seus sermões.

 

Com as informações acima, podemos ver que estar nas mídias sociais hoje não é questão de status e sim de necessidade, TODOS os seguimentos tem hoje a necessidade de estarem online ou correrem o risco de ficarem para trás.

Gostou da notícia? Então não deixe de divulgar o nosso site!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *